Cansaço e inspiração

Saimos de Itanhaem rumo ao nosso primeiro show em São Paulo, encontramos o Renato e o Paulo já no local de show. Nas semanas anteriores estávamos ocupando nossos dias dando uma geral no carro. Revisão de toda mecânica, revisão elétrica, funileiro e nós mesmos fizemos toda a tapeçaria do carro, colocamos retrovisor, instalamos canaletas dos vidros e por aí vai…

Enchemos o carro com a distro, o equipamento e seguimos viagem para São Paulo.

O show em São Paulo foi melhor que esperávamos. É que por São Paulo ter show todo final de semana, achamos que não ir ter muita gente. Mas o show foi bem movimentado, afinal tinhamos uma atração e tanto, o discarga violenta que não tocava em São Paulo por 15 anos.

Dormimos em São Paulo e acordamos para seguir viagem até Volta Redonda – RJ. Quando já estávamos quase chegando, o carro começou a morrer e… puf! PAROU.

Pensamos que era falta de combustível, porque a boia do tanque parecia não marcar a quantidade de diesel. Chamamos o socorro da dutra e eles foram buscar combustivel. Enchemos o tanque, tiramos o ar e seguimos viagem. Chegamos bem atrasados em volta redonda, Renato ficou fazendo hamburgueres na casa do Arthur e o resto foi para o show, descarregar equipamento, montar a distro, etc.

O show em Volta Redonda foi demais!! Um lugar muito agradável, pessoas queridas, conversas e um show contagiante. O the Alchemists e o Deaf kids, sem palavras!! Muito bom… Tocamos por ultimo num show muito dançante e empolgante.

Após o show fomos para a casa da vó do Angu que preparou um rango delicioso.

Acordamos cedo e seguimos viagem rumo a Vila Velha – ES. Estávamos super empolgados e muito dispostos a viajar 11 horas até o Espírito Santo. Começo de tour já com bons shows, inspiração a mil, mas o carro morreu de novo. Não tinhamos muito tempo pra ficar na estrada parados, a viagem era longa e não podiamos atrasar. Mas máquinas são máquinas e elas sempre gostam de deixar a gente na mão e sempre na hora que você mais precisa. De novo chamamos o socorro da Dutra e desta vez tivemos que ser guinchados até o próximo posto, pois além do carro não pegar, estava vazando muito oleo.

Medimos o oleo e estava super baixo. Tivemos que comprar 9 litros de oleo para conseguir seguir viagem. De novo tiramos o ar e conseguimos fazer o carro pegar. Estávamos preocupados, mas resolvemos seguir para o show. Sò que quando estávamos atravessando a ponte Rio-Niteroi, puf!! PAROU DE NOVO. Guinchados mais uma vez em um único dia, desta vez pelo socorro da ponte rio-niterói que nos levou até uma oficina.

Lá só tinha maluco, ale? de não dá pra enteder nada que os cariocas falavam, eles brigavam entre si o tempo todo. E, por ser domingo, nenhum mecanico disponível. Saimos pela rua para um lugar que tinha muitos caminhões parados e acabamos por conhecer um caminhoneiro chamado Helinho. Que largou sua cerveja de domingo para ir até a oficina com a gente. Nos instruiu, passou o telefone de um mecânico e até nos deu uma peça novinha para trocar.

Bom, isso já era 16 horas e tinhamos que estar em Vila Velha as 17 horas. Impossivel. Cancelamos o show e resolvemos ficar no RJ para tentar arrumar o carro e continuar a tour.

Na oficina os maluco nos disseram que estava tudo resolvido, que eles tinha tirando o ar e que agora dava pra seguir viagem. Não confiamos muito, mas pegamos o carro e fomos até a casa do Rodrigo do Operação 81 para passar a noite e no dia seguinte ir até a oficina mecânica.

Acordamos cedo e seguimos viagem já com toda a bagagem no carro para sair de lá e conseguir viajar, pelo menos era essa a intenção.

A oficina mecanica era em São gonçalo e tivemos que atravessar a ponte rio-niteroi de novo. E adivinha? No mesmo lugar o carro puf!! PAROU DE NOVO. Tivemos que pedir socorro de novo da ponte rio-niteroi, porque ali na ponte só eles podem fazer o socorro. Mas o problema é que eles só tiram você até um ponto de apoio deles ou naquela mesma oficina mecanica dos maluco. Revolvemos ficar num ponto de apoio e pedir o o socorro do seguro do carro para nos levar até a oficina em São gonçalo. OK!! Mai um dia de sarjeta nos esperava. Primeiro o guincho da ponte rio-niteroi e depois outro guincho do seguro do carro. Dois guinchos em uma só manhã. Alias, quatro guinchos em 24 horas. Será que desistimos da tour ou insistimos?? Estávamos esgotados, mas preferimos seguir até São Gonçalo para ver se o problema era simples.

Chegamos na oficina e o mecanico estava super ocupado, ficamos sentados na calçada esperando por mais de duas horas. Este mecanico era um bombista (só mexe com bomba injetora) e ele tinha que ver o problema de porque o carro estava morrendo. Depois que umas 3 horas de espera, o Elias (o mecanico) começou a mexer no carro.

Otimo!! Encontrou o problema e estava entupido a bomba injetora e por isso que o carro estava morrendo. Não era falta de combustível… Uhuuu.. consertamos esse problema, mas ainda tinhamos que resolver o problema de vazamento do oleo. Saimos da oficina do Elias quase 5 da tarde e todas as oficinas estavam fechando. Passamos na oficina do Ulisses, indicado pelo Elias para analisar o vazamento do oleo… nada de encontrar. Fomos embora sentido RJ para dormir mais uma noite na casa do Rodrigo e na terça tentar resolver o vazamento do oleo e continuar a tour. Tinhamos conversado da possibilidade de alugar outro carro, mas um carro pequeno não cabe nem a guitarra do Paulo e nem o baixo do Josi, e teriamos que viajar atolados até a cabeça de coisas dentro de um carro 1000. Possibilidade descartada e mais uma vez iriamos tentar ver qual era o problema do vazamento.

Em todos esses dias de sarjeta, role mecanica, perguntas para caminhoneiros estávamos aprendendo cada vez mais sobre motores a diesel. Fediamos graxa, tinhamos as unhas pretas e as mãos engorduradas de oleo.

Chegamos no Rodrigo e ficamos analisando o carro, tentando ver de onde saia tanto oleo. Já tinhamos gastado 90 reais em oleo e isso não é normal. Depois de achar que era pela tampa de oleo do motor o vazamento, pois estava faltando uma borracha, começamos a pesquisar lugares que mexiam com carros a diesel. Escontramos muitas oficinas, lojas de autopeças de carros a diesel no bairro Penha Circular – RJ.

Acordamos cedo e o Josi foi ligar para os lugares e a Andreza foi tentar resolver o problema do tanque. É!! não falamos ainda sobre esse problema, mas tinhamos um outro problemas para resolver. Quando íamos encher o tanque, só entrava 1 litro de diesel e já estávamos ficando sem combustivel.

Andreza entrou debaixo do carro e tirou as mangueiras para ver se estávam entupidas.. Nada!!

Resolvemos então ir até as oficinas. Chegamos lá compramos a nova tampa com a borracha da entrada do oleo de motor e paramos nos mecanicos. Nada de encotnrar o vazamento. Seguimos para outro oficina indicada por estes mesmo mecanicos. Chegamos lá e eles falaram pra gente ir lavar o motor, pois era impossivel encontrar algum vazamento ali. O motor estava todo sujo de oleo.

Seguimos para lavar o motor e tentar, de novo, encher o tanque. E nada de encher o tanque. Tentamos colocar diesel e só entrou 1 litro. Arrumamos um galão e uma mangueira para tentar colocar diesel bem devagarinho, pois a pressão da bomba dos posto de gasolina era muito forte e estava dando retorno. Lavamos o motor e seguimos para oficina de novo.

Uhuuuuu.. encontramos o vazamento. A causa?? Não sabemos ainda, pode ser a turbina, o retentor, etc.. O que era possível a gente fazer era trocar a palha de aço que fica dentro do respiro do motor, pois se ela estava entupida, dá muita pressão no oleo e ele joga pela tampa do oleo de motor (que estava sem borracha, lembra?). Otimo. Compramos a peça e trocamos. Bom, o som do motor tá mais suave e parece que o vazamento diminuiu. Vamos continuar?!!

Resolvemos seguir viagem aquela hora mesmo, aproveitar o dia para viajar e parar antes de anoitecer. Seguimos viagem rumo a Salvador, mas antes tinhamos que conseguir encher o tanque.

Paramos de novo em um posto e começamos a encher o tanque no galão!! E deu certo… agora toda vez que tiver que encher o tanque, teremos que ser só no “sapatinho”…

Saimos do posto e pegamos estrada. Tivemos que parar em Rio Bonito, ainda no Rio de Janeiro, pois estava escurecendo e nós não gostamos de viajar de noite, ainda mais sem confiar no carro.

Paramos na cidade e resolvemos preparar nosso primeiro almoço no nosso fogão novo. Escolhemos um cantinho atrás da praça de rio-bonito e fizemos um gostoso macarrão. Punk//hippie/mendigo?? Foi demais, comida estava otimo, não gastamos 20 reais  em um restaurante qualquer pra comer arroz e salada.

Depois da janta, limpamos a nossa cozinha temporária e fomos ensaiar nosso show acustico na praça de Rio Bonito. Passamos o set duas vezes, Pensamos em alguns arranjos e nos divertimos muito!!

Hora de dormir para acordar cedo e pegar estrada…. rumo a Salvador!!

Chegamos em Salvador e fomos direto para a Rango Vegan. Comemos uma feijoada vegan maravilhosa e saimos para passear no pelourinho e esperar nosso show versão acustica que aconteceu na Rango Vegan.

Na rango vegan rolou um Junk food vegano e depois teve o show do Mapache Man e depois o nosso show. Esse foi nosso primeiro show com violão, baixolão e sem amplificadores.

No dia seguinte seguimos viagem para Aracaju. Tinhamos um show no restaurante vegan do Ivo e da Dani do Renegades of Punk e estávamos super ansiosos para conhecer. Chegamos na hora do almoço!! A comida? Não temos nem palavras.. muito boa! Só indo lá pra você saber realmente. Ah! e ainda tem o cupcake que pra ser bem sincero, um dos melhores do Brasil!!

Seguimos viagem para Recife. Viagem muito lenta em razão da estrada estar em péssimas condições. Chegamos em Recife e fomos direto para o local do show. O show foi no Casarão das Artes, uma casa ocupada que agora fez um acordo com o proprietário para continuar funcionando. No espaço tem atividades de circo, shows e um bar.

Na segunda, ainda em Recife, tivemos que levar o carro para revisar os freios e resultado: passamos nossa tarde de folga na oficina mecanica. Final da tarde seguimos até Olinda e ficamos até tarde na frente do mar conversando com amigos!!

Terça teríamos que seguir viagem para Fortaleza, mas o carro ainda tinha que passar pela mecânica e terminar o serviço. E de novo passamos o dia na mecânica até conseguirmos seguir sentido Fortaleza. Saimos na terça final da tarde e paramos antes do anoitecer em João Pessoa.

Quarta continuamos a viagem e quando estávamos a 50 km de fortaleza, prontos para comer o acarajá da Ieda, puf!! O carro quebrou de novo. dessa vez o rolamento da roda quebrou e até fogo saiu do carro. Resultado? Mia 3 horas na estrada para consertar.

COnseguimos!! Saimos direto para o show e já fomos montando a distro e tirando os equipamentos. O lugar estava lotado e os shows foram bem legais.

Depois do show fomos comer com a galera que organizazou o evento (Rock sem edital) e no dia seguinte seguimos rumo a Mossoró.

Estrada quente, rios secos, animais mortos por falta de agua e comida. Caminho triste.. Chegamos em Mossoró as 15 da tarde pois participariamos de uma progrma de TV local. Após o programa seguimos com o Pedro (Catarro) para o show no Beco das frutas.

O show em Mossoró foi demais, o locao do show foi em um bar chamado Nasdir Drinks e nada melhor que sentir o calor de Rio Grande do Norte cheio de gente dançando como loucos. E pra não deixar de falar, o show do Catarro foi demais, energia, politica e intensidade de uma só vez. E a figura da tour?? Elegemos o Pedro, é claro. =)

Seguimos para Natal. E chegamos a casa do Renato Maia as 14 horas. Perfeito. Tempo para almoçar, ir na praia e principalmente aproveitar nossos amigos.

E se você achou que nossa tour era só oficina mecânica, graxa e sarjeta, você se enganou. Agua de coco e água fresca foi pouco para definir nossa chegada em Natal.

Opós um mergulho na praia de ponta negra em Natal, um banho de piscina na casa da irmã de Renato Maio (que por sinal uma pessoa maravilhosa), seguimos viagem para João Pessoa. Renato Maio, Cira e Lilith nos acompanharam em outro carro.

O show em João pessoa foi no Pogo, um espaço gerido pela galera punk. O espaço fica no Centro histórico de João Pessoa, onde tem um movimento grande de pessoas, uma praça na frente e construções muito antigas.

Depois do show fomos dormir na casa da sogra de Renato Maia. Fomos recebidos com muita alegria mesmo de madrugada. Dias agradáveis e com ótimas companhias foi nosso final de semana em Natal e João pessoa.

Seguimos agora rumo a Maceió, um show muito esperado por todos nós. A galera de lá já queria ter organizado um show com o Tuna esse ano, mas por falta de grana ficou bastante impossível. Aproveitando a tour e nossa passagem por lá a galera fez um corre brutal pro show acontecer. O show foi no quintal cultural, um quintal atrás de duas casas. Um lugar cheio de calor humano, felicidade e disposição para as coisas acontecerem. O show foi muito bom, o pessoal dançou e cantou todas as músicas com a gente.

No dia seguinte, passeio na praia e um bate-papo sobre autogestão na sede do resistência popular. As prais de Maceió são maravilhosas e fizemos questão de passar o dia com o pessoal curtido as aguas azuis da cidade.

Acordamos cedo e seguimos viagem rumo a Salvador. Como teríamos que passar de novo por Aracaju, arrumamos um pretexto para encontrar o pessoal de novo e fizemos mais um show de última hora. Um show acustico com o renegades of Punk e João Mário, uma sopa maravilhosa e um debate sobre veganismo. Uma noite super agradável com amigos, música e a quebra de rotina de sair da frente da TV e deixar o facebook um pouco de lado nessas noite entediantes de dias de semana.

Enchemos a pança de sopa e cupcake, dormimos e seguimos rumo a Salvador. Uma parada na praia do forte para lavar mais uma vez a alma e seguir a viagem. Agora é esperar pelos shows de Simões Filho, Salvador, Cruz das Almas, Seabra, Barreiras, Aguas Lindas, Brasilia e Goiania.


Warning: Division by zero in /home/nogoders/public_html/tunapunkrock.com/wp-includes/comment-template.php on line 1379

Comments are closed.