LE GRAND TOUR

Se cada gesto em si que importasse

E fosse pleno de significado

Unívoco, e nada o mudasse

A gente tava mesmo bem ferrado.

 

Mas dá, às vezes, pra retroceder

Mas dá, às vezes, para repensar

E o mesmo take ter sua dupla face

Da outra vez que for reprojetado

 

A gente só entende todo o drama

Que o close captou naquele olhar

No último capítulo ou fotograma

No prisma de uma grande angular

 

Roteiro aberto, cada atriz ou ator

Dirige a própria cena e improvisa

E como não existe diretor

Muito nonsense faz parte da fita

 

A gente só entende todo o drama

Que o close captou naquele olhar

No último capítulo ou fotograma

No prisma de uma grande angular

 

É tudo uma Odisseia sem Homero

The end” que tem continuação

Como, às vezes a gente diz uma frase

E depois logo emenda um “só que não”

 

E se tudo encerra um “e se?”

Nenhuma cena se encerra ali

Certeza mesmo não se tem de nada

Toda história pode ter virada

 

A gente só entende todo o drama

Que o close captou naquele olhar

No último capítulo ou fotograma

No prisma de uma grande angular


Warning: Division by zero in /home/nogoders/public_html/tunapunkrock.com/wp-includes/comment-template.php on line 1379

Comments are closed.